1 de abr de 2015

Lula, o debate nos faz falta, e a falta do debate é o que nos isola do povo


Fernando Brito, Tijolaço 

"Eu, volta e meia, vou olhar o número de compartilhamentos e de comentários do post, por duas razões: não apenas é o que defende o leite das crianças nas contagens malditas da publicidade como é, em parte, o que mede a utilidade de escrever aqui.

Claro que os posts que conseguem mais audiência e mais compartilhamentos são aqueles em que se revela alguma situação escandalosa ou risível dos personagens da direita, ou os que mostram exemplos de dignidade pessoal.
Quem fez jornal sabe que reflexão não é manchete.

Ontem à noite, no último espasmo de energia, escrevi – ou descrevi - como milhões de pessoas, eu inclusive, nos tornamos “lulistas”, sem que isso represente para qualquer um de nós idolatria, nem a ele, nem ao PT.
Ficou longe de ser um campeão de audiência, mas provocou uma polêmica fraterna que, creio, a todos nos fez muito bem.

31 de mar de 2015

Os “valentões” com a Bolívia esqueceram do “tio” FHC. Uma usina desativada em troca de mais gás


Fernando Brito, Tijolaço  

"Na virada do século, na iminência do apagão, Fernando Henrique Cardoso acertou com o general Hugo Banzer, da Bolívia, e com investidores estrangeiros um contrato de compra de gás daquele país.

Era na modalidade “take or pay”: isto é, pagávamos a quantidade previamente contratada, usássemos ou não usássemos o gás boliviano.
A Folha, em 2001, publicou a reportagem acima, dizendo:

“Só no primeiro trimestre do ano, a Petrobras pagou para os donos do trecho brasileiro do gasoduto Brasil-Bolívia cerca de US$ 30 milhões sem ter nenhum benefício em troca. No ano passado, foram outros US$ 20 milhões. O cálculo foi feito com base no custo de transporte atual. Quando o Brasil assinou o contrato de construção do gasoduto, ele garantiu aos investidores que transportaria uma quantidade mínima de gás natural. (…) Dadas a demanda atual e a produção nacional, a Petrobras traz da Bolívia 10,5 milhões de metros cúbicos de gás por dia. Paga, no entanto, pelo transporte de 16,3 milhões de metros cúbicos -paga por tudo, mas usa só 64,41%. São mais de US$ 250 mil desperdiçados por dia.”

30 de mar de 2015

Como dar um basta no jornalismo da Globo?


"A Rede Globo perdeu qualquer tipo de responsabilidade jornalística na difusão de seu conteúdo. A emissora é hoje o império da liberdade sem limites. É possível dar um basta em tanta desonestidade?

Pragmatismo Político, J. Carlos de Assis

Não me proponho contribuir para a quebra da Globo. Seria um desperdício de tecnologia em audiovisual acumulada durante décadas, a qual se tornou um patrimônio nacional de valor incalculável. Quando o senador Crivella agendou uma conversa com João Roberto Marinho na última campanha eleitoral, sugeri a ele que deveria dizer que, se eleito, se comprometeria a lutar pela consolidação do Rio como capital audiovisual da América Latina e um dos principais centros de produção de arte audiovisual do mundo. O líder seria a Globo, naturalmente, não a Record, cuja base audiovisual é São Paulo.

Acontece que os programas de boa qualidade formal da Globo, como as novelas, casos especiais, Globo Repórter, Fátima Bernardes, The Voice (não sei por que não “A Voz”) e SuperStar funcionam como uma espécie de rede física de esgoto pelo qual flui o material de má qualidade, a saber, o Jornal Nacional e, principalmente, o Jornal da Globo. Vai também junto desse lixo esse monumento à imbecilidade globalizada, o BBB Brasil, que disputa com Faustão o campeonato da idiotice, salvo apenas, no caso de Faustão, pela Dança dos Famosos, para os que tem estômago para tolerar as piadas de mau gosto do apresentador.

26 de mar de 2015

Ex-tesoureiro de Serra e FHC cai no Swissleaks


"Entre os nomes de políticos citados nas contas secretas do HSBC na Suíça consta o do empresário Márcio Fortes, primeiro vice-presidente do PSDB-RJ; ex-tesoureiro de FHC e José Serra, ele nunca declarou ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) a existência de suas três contas internacionais; em 2000, ele foi a pessoa física que mais doou ao partido; durante a campanha de Serra à Presidência, em 2002, Fortes usou notas frias e o PSDB chegou a ser multado em R$ 7 milhões; o político tucano também foi capa da revista Exame, como o presidente do BNDES que incentivava as privatizações; além dele, também foram citados no caso o ex-prefeito de Niterói Jorge Roberto Silveira (PDT-RJ), o bilionário Lirio Parisotto, suplente de senador pelo PMDB-AM, duas irmãs do deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) e os filhos do prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB-MG)

Brasil 247

Na lista dos mais de 8 mil correntistas brasileiros no HSBC na Suíça consta o tucano Márcio Fortes, ex-tesoureiro do ex-presidente FHC e de José Serra.
Segundo reportagem do ‘Globo’, o primeiro vice-presidente do PSDB-RJ, o ex-prefeito nunca mencionou nas declarações de bens que enviou ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) a existência de suas três contas no país helvético. Em 2006/2007, o saldo era de US$ 2,4 milhões.

25 de mar de 2015

Desculpe a nossa falha: Ibope “corrige” pesquisa e dá mais cinco pontos ao Jornal Nacional


Fernando Brito, Tijolaço 

'Claro que não foi por causa da repercussão que teve ontem a “despencada” de audiência da Globo e do Jornal Nacional.

Claro que não foi nada, senão a rebeldia dos aparelhos que, automaticamente, registram hora e canal em que os aparelhos de televisão estão ligados.

Claro que o Ibope é uma instituição acima de qualquer suspeita, porque sua ligação umbilical com a Globo não afeta a sua “independência estatística”.

24 de mar de 2015

Audiência do JN derrete e vai a apenas 20 pontos


"Jornal da TV Globo registrou uma das mais baixas médias de audiência em dia de semana; segundo informações do UOL, na noite desta segunda-feira, o jornal atingiu 20 pontos; na segunda-feira de Carnaval, por exemplo, deu 25 pontos na Grande SP - cada ponto representa 67 mil domicílios; há dez anos, a média do "JN", hoje apresentado por William Bonner e Renata Vasconcelos, era de 35,8 pontos na Grande São Paulo

Brasil 247

A audiência do Jornal Nacional, da TV Globo, tem derretido e atingiu, nesta segunda-feira, uma das mais baixas médias de audiência em dia de semana, com 20 pontos.

Segundo dados de Ricardo Feltrin, do UOL, na segunda-feira de Carnaval, por exemplo, deu 25 pontos na Grande SP - cada ponto representa 67 mil domicílios.

Há dez anos, a média do "JN", hoje apresentado por William Bonner e Renata Vasconcelos, era de 35,8 pontos na Grande São Paulo (leia mais)."

23 de mar de 2015

Globais e cineastas aparecem em lista do HSBC


"Nomes como o do apresentador Jô Soares, dos atores Maitê Proença, Claudia Raia e Edson Celulari, além da família de Jorge Amado e o cineasta Andrew Waddington, com seu irmão Ricardo Waddington, que hoje é diretor da TV Globo, foram citados no caso Swissleaks; com exceção de Jô Soares e Ricardo Waddington, os artistas e intelectuais listados nas planilhas do HSBC de Genebra, desenvolveram ou participaram de trabalhos financiados, em parte, por dinheiro de fomento à cultura, por meio da Lei Rouanet

Brasil 247

Celebridades da TV Globo, além de cineastas, escritores e músicos do Brasil, foram citados no caso das contas secretas mantidas no HSBC da Suíça.
 
Aparecem entre eles apresentador Jô Soares, dos atores Maitê Proença, Claudia Raia e Edson Celulari, além da família de Jorge Amado e o cineasta Andrew Waddington, com seu irmão Ricardo Waddington, que hoje é diretor da TV Globo.

20 de mar de 2015

A mistificação da história “dos que não votaram” nem Dilma, nem Aécio


Fernando Brito, Tijolaço 

"Recebo, de uma querida amiga, muito anti-Dilma – não vai deixar jamais de ser minha amiga por isso – um artigo de Eliane Brum, ótima colunista da versão brasileira do El País, onde ela , apesar de afirmar a legitimidade da eleição de Dilma Rousseff, pretende tornar relevante o fato de “mais de 37 milhões de brasileiros” não terem votado em nenhum dos dois candidatos.
Seria, de fato, relevante, se fosse uma novidade.

Como sou um velho chato – perdoem-me o pleonasmo – fui conferir os números.

Em 2014, foram 105.542.273 votos válidos, ou 93,66% do total de votantes. Abstiveram-se 30.137.479 eleitores inscritos, ou 21,10%do total.

19 de mar de 2015

Ciro: ´falar a verdade nesse País custa caro´


Falar a verdade nesse país, principalmente nesses tempos, custa muito caro. Mas acho que esse preço tem que ser pago, porque quem faz história não são os pilantras que hoje dominam a cena nacional e sim os homens que não se abatem diante dos constrangimentos”, afirmou o ex-ministro Ciro Gomes, endossando a crítica de Cid sobre os "400 achacadores" no Congresso Nacional; Ciro também aconselhou a presidente Dilma Rousseff; “O que importa é a economia, amigo. A recessão é uma ameaça. A moeda do Brasil está derretendo diante das moedas internacionais. E isso significa que a renda média do brasileiro está sendo derretida"

Brasil 247

Em entrevista ao jornalista Josias de Souza (leia aqui), o ex-ministro Ciro Gomes defendeu o irmão Cid, demitido ontem pela presidente Dilma Rousseff.

Veja!