24/07/2014

Candidatura Aécio claudicou: o dia em que o tucano gaguejou no JN


"Aécio Neves pode estar demonstrando nesse episódio, sejamos honestos, ser um político ainda sem o estofo necessário para disputar uma eleição para a Presidência

Lula Miranda, Brasil 247

A candidatura de Aécio claudicou. Tive essa nítida sensação na noite da última segunda-feira, 21.07, quando vi, na TV, o candidato gaguejar feio no Jornal Nacional no instante em que era indagado, em meio a um evento de campanha, cercado por correligionários, sobre o caso do "aeroporto" construído em terras desapropriadas de um seu tio-avô, no tempo que ainda era governador de Minas.

Foi constrangedor. Embaraçoso. Vergonhoso. Apesar de estar ali cercado por correligionários, alguns destes por sinal velhas raposas da política mineira, Aécio parecia um infante abandonado. O sorriso amarelou, o rosto empalideceu, os gestos eram como os de um afogado. A sombra do seu avô, já falecido, não poderia lhe acolher naquele momento de apuro. FHC também não estava ali, para lhe dizer o que falar ou como proceder – tampouco o “amigo” José Serra.

23/07/2014

Outro aecioporto: a pista fantasma de Montezuma, cidade de menos de oito mil habitantes


Fernando Brito, Tijolaço  

"Montezuma é uma pequena cidade no pobre Norte de MInas.

Tem, como se dizia no meu tempo, menos de oito mil almas: 7.900, segundo o IBGE.

Mas tem, também, a Perfil Agropecuária e Florestal, empresa de Aécio Neves e de sua irmã, Andréa Neves, da qual já eram sócios e, agora, herdeiros de seu pai, o ex-deputado Aécio Cunha.

Uma “terrinha” de apenas 950 hectares – ou 9.500.000 metros quadrados, ou 950 campos oficiais de futebol, para nós, urbanos, pouco acostumados a essas grandezas.

22/07/2014

Caso do aeroporto tende a sumir da mídia impressa


"Primeiro disparo contra a candidatura do senador Aécio Neves (PSDB-MG), a denúncia da Folha sobre a construção de um aeroporto na na cidade de Cláudio (MG), onde o ex-governador mineiro tem uma fazenda, teve repercussão tímida em publicações como Globo, Estado e a própria Folha; isso explica a iniciativa do PT, que decidiu entrar com representação contra o presidenciável tucano por improbidade administrativa, para manter o tema "aceso" durante a campanha eleitoral; desdobramentos da investigação da Agência Nacional de Aviação Civil também podem gerar novas manchetes; ontem, em Minas, Aécio defendeu que o caso seja investigado "com transparência" e tucanos anunciaram ação contra Dilma por "uso da máquina" para "perseguir adversários"

Brasil 247

O primeiro disparo contra a candidatura do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que foi a denúncia da Folha de S. Paulo sobre a construção de uma pista de pouso na cidade de Cláudio (MG), onde o presidenciável tucano possui uma fazenda (leia aqui), teve repercussão relativamente discreta na mídia impressa.

21/07/2014

Bomba! Fortuna de Aécio veio de grilagem de terras públicas


Miguel do Rosário, Tijolaço  

"Agora vamos ver se a Folha está disposta mesmo a publicar denúncias contra Aécio Neves, ou se está apenas preparando terreno para fazer ataques a Dilma.

Se a postura do jornal for séria, ela deveria repercutir o que reproduziremos abaixo.

A Rede Brasil Atual acaba de publicar uma denúncia grave, que revela a face cruel e predatória do patrimonialismo brasileiro, em que famílias com influência política abocanham terras públicas para engordar sua fortuna.

20/07/2014

Aécio recebe o primeiro petardo da Folha


"Jornal de Otavio Frias acusa o presidenciável tucano Aécio Neves de ter construído aeroporto de quase R$ 14 milhões com verba pública dentro de uma fazenda se seu tio, no fim do seu segundo mandato como governador de Minas Gerais; construído no município de Cláudio, a 150 km de Belo Horizonte, o terminal ficou pronto em outubro de 2010 e é administrado por Múcio Guimarães Tolentino, segundo a publicação; Aécio nega irregularidades e diz que obra atendeu a critérios técnicos

Brasil 247

A “Folha de S. Paulo” disparou seu primeiro petardo contra o presidenciável tucano Aécio Neves. Na manchete da edição deste domingo, o jornal de Otavio Frias acusa Aécio, então governador de Minas Gerais, de ter construído com verba pública aeroporto de quase R$ 14 milhões em terras de seus parentes, em seu segundo mandato.

Construído no município de Cláudio, a 150 km de Belo Horizonte, o empreendimento ficou pronto em outubro de 2010 e seria administrado por Múcio Guimarães Tolentino, tio-avô do senador e ex-prefeito de Cláudio.

De acordo com a publicação, para pousar no local, é preciso pedir autorização aos filhos de Múcio. Segundo um dos filhos de Múcio, Fernando Tolentino, seu primo Aécio Neves usa o aeroporto "seis ou sete vezes" por ano, em visita a cidade ou a Fazenda da Mata, a 6 km do aeroporto. Aécio nega irregularidades e diz que obra atendeu a critérios técnicos (leia aqui)."

19/07/2014

Documentos revelam fraude internacional para Globo sonegar impostos da Copa na TV


Fernando Brito, Tijolaço 

"O Miguel do Rosário revela, em seu O Cafezinho, os detalhes do processo original que desapareceu da Receita Federal.

E que agora ressurgiu.

A transação tem ares de quadrilha internacional, simulando negócios para permitir que a operação verdadeira – a compra dos direitos de transmissão dos jogos da Copa de 2002 no Brasil escapasse dos impostos no Brasil, sem falar nas transações obscuras que podem estar envolvidas na própria cessão da Fifa da autorização de exclusividade do televisionamento do torneio.
Vou resumir a história como é narrada, com provas fartas, no processo “sumido”, que agora reaparece, embora eu duvide que o Ministério Público vá tomar qualquer atitude.

A Fifa entregou a International Sports Media and Marketing, um braço da conhecida ISL, que foi indiciada na Justiça suíça por fraudes e falsificação de documentos.

A ISMM vendeu, em 29 de junho de 1998, à TV Globo e a Globo Overseas, empresa da Globo na Holanda (leia a seguir), os direitos de transmissão daquela Copa em oito parcelas, a última a vencer em 2002.

18/07/2014

Fiesp: Seca agrava mercado de trabalho em SP


"Eduardo San Martin, diretor de Meio Ambiente da Fiesp, associou o problema da escassez de água no perímetro dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), que são abastecidos pelo reservatório Cantareira, ao corte de 3 mil vagas industriais na região da PCJ: "Não existem números oficiais, mas sabemos que só nessa região da bacia, desde março, quase 3 mil postos deixaram de existir. Empresas já eliminaram um turno de produção"

Brasil 247

A crise de abastecimento em São Paulo é apontada como uma influência negativa adicional sobre o emprego no estado de São Paulo pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

A pesquisa mensal de emprego da entidade apontou que a indústria paulista fechou 16,5 mil postos de trabalho em junho, uma queda de 0,64% na comparação com maio.

Eduardo San Martin, diretor de Meio Ambiente da Fiesp, associou o problema da escassez de água o corte de 3 mil vagas industriais na região da PCJ. "Não existem números oficiais, mas sabemos que só nessa região da bacia, desde março, quase 3 mil postos deixaram de existir. Empresas já eliminaram um turno de produção", disse San Martin.

O problema afeta o perímetro dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), que são abastecidos pelo reservatório Cantareira, cujo nível chegou na reserva técnica (volume morto) há dois meses (leia aqui a matéria de Luciano Máximo sobre o assunto)."

17/07/2014

Chuva não parou agonia do Cantareira, agora quase só um lamaçal


Fernando Brito, Tijolaço 

"A chuva da última semana pode ter causado uma sensação de alívio aos paulistanos, assombrados pelo fantasma da falta de água.

Infelizmente, isso é falso.

Ontem, a vazão dos rios que abastecem o sistema Cantareira voltou aos níveis terríveis que vinha apresentando em julho: pouco mais de 2,5 m³ por segundo, o que não chega sequer para compensar os 3 m³/s que é necessário liberar para que os rios Capivari, Jundiaí e Piracicaba sequem completamente.

Além desta água, saíram mais 1,8 bilhão de litros para o abastecimento de São Paulo.

No total, o sistema perdeu 2, 06 bilhões de litros.

16/07/2014

jn boicota BRICs


"Telejornal (sic) abre com PCC

Paulo Henrique Amorim, Conversa Afiada

'O jn boicotou a prestação de contas da Dilma e do Ministério sobre o sucesso da Copa das Copas.

Deu mais espaço ao Agripino, coordenador do Arrocho, e que, só agora, elogia o Bolsa Família.

Para a Globo, a Urubóloga e o faustinho, como demonstra Haroldo Lima, ainda não houve Copa.

Na verdade, segundo eles, o que houve foi a simpátia dos brasileiros.
Foi a Copa da Fanfest !

Agora, o Brasil obtém uma de suas maiores vitórias diplomáticas: é a sede da reunião dos BRICs em Fortaleza, no Nordeste; fundou o Banco dos BRICs; e abriu as portas para se livrar da hegemonia americana e suas extensões: ONU, FMI e Banco Mundial.

A reunião mereceu insossa reportagem que omitiu o papel que um brasileiro desempenhará: presidir a diretoria executiva.

Dá para entender: a Globo faz parte de um mundo que não existe mais."

15/07/2014

Uma imprensa pequena para uma grande Copa

Luciano Martins Costa, Observatório da Imprensa 

A imprensa brasileira reconhece, nesta segunda-feira (14/7), que o torneio encerrado no domingo com o triunfo da Alemanha sobre a Argentina foi a maior e melhor de todas as Copas do Mundo já realizadas. Os jornais fazem balanços e antecipam números que estarão no relatório do Grupo de Estudos Técnicos da Fifa. Segundo o Estado de S. Paulo, o chefe da comissão já adiantou que esta foi a melhor versão do torneio em todos os tempos, em termos de qualidade e entretenimento.

Não apenas pelos dados, apresentados em páginas duplas e infográficos pelos diários do Brasil e de outros países, mas também por critérios como inovação técnica, táticas dinâmicas e fatos surpreendentes, a qualidade do evento é destacada nas reportagens.