Pão de Açúcar gera revolta ao decorar unidade com estátua de criança negra com grilhões nos pés

Estátua utilizada pelo Pão de Açúcar na unidade da Vila Romana, em São Paulo

Articulação de Organizações de  Mulheres Negras Brasileiras (AMNB) divulgou uma carta em que exige uma retratação pública da empresa

Redação, Revista Fórum

Uma estátua utilizada na decoração de uma unidade da rede de supermercados Pão de Açucar, localizada no bairro Vila Romana, em São Paulo, está causando revolta nas redes sociais desde a última segunda-feira (19). A estátua em questão representa uma criança negra, com grilhões nos tornozelos, segurando uma cesta de pães.

A comunidade negra se sentiu ofendida e considerou de absoluto mau gosto a peça de decoração. Mensagens em rede sociais defendem que a estátua remete à escravidão e ao racismo. Além disso, o Grupo Pão de Açúcar também é acusado pelos internautas de fazer apologia ao trabalho infantil, uma vez que a estátua retrata uma criança carregando uma cesta de pães de tamanho e peso incompatível com o seu.

Após a repercussão negativa na internet, o Grupo Pão de Açúcar divulgou uma nota oficial afirmando que “a estátua em questão foi adquirida como parte de uma coleção de peças decorativas de loja, sem intenção ou apologia a qualquer tipo de discriminação. A rede agradece os contatos recebidos dos clientes e lamenta o fato ocorrido, uma vez que pauta suas ações na ética, promoção e respeito à diversidade. Assim que tomou ciência do caso, o Pão de Açúcar providenciou a retirada da estátua das lojas e está revendo o processo de seleção de peças decorativas.”

Mesmo com a nota e a decisão do Grupo Pão de Açúcar de retirar a estátua, a AMNB (Articulação de Organizações de  Mulheres Negras Brasileiras) divulgou nesta quinta-feira 22, uma carta em que manifesta seu repúdio ao caso e cobra da rede de supermercados uma retratação pública. “Neste sentido que nos dirigimos ao Senhor, Diretor Presidente do Grupo Pão de Açúcar, Sr. Enéas Neto, para dizer que estamos esperando que este Grupo faça uma retratação publicamente, mesmo tendo retirado a estátua colocada de sua loja, reconhecendo neste ato como fortalecedor do racismo no Brasil”, diz a carta.”
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

2 comentários:

Ulysses disse...

É cada frescura. Em vez de procurar emprego, melhores salários, ficam essas associações só procurando pelo em ovo de galinha. Tipo achar que cota racial é ruim isso eles não acham. Tipo se sou negro preciso estudar menos para passar pela concorrência.

Anônimo disse...

Sinto muito Sr. Ulysses, mas se este objeto de decoração realmente estava no supermercado, isso pode ser considerado um caso de racismo, e não há argumento que possa contrariar. Além disso, você deve aprender a não misturar as coisas. O post fala sobre o desrespeito aos negros. Coisas como cota racial e melhores salários não se encaixam na situação. E se o negro deve se valorizar como vc propõe, combater o racismo, desrespeito e a falta de consideração é uma primeiras coisas a se fazer. Aliás, você parece ser bem racista no seu comentário.