Caetano é black bloc desde criancinha


Artista e animal político, o cantor baiano pegou uma carona nas manifestações com uma ideia melhor do tentar compor um hino.


Caetano Veloso é um artista e animal político com senso de oportunidade apurado — concorde-se ou não com ele. Em política não existe vácuo e ele ocupa os espaços que aparecem.

Ao apoiar os black blocs numa visita à Mídia Ninja no Rio, Caetano está apenas sendo Caetano. Não deveria exasperar tanto seus milhões de detratores, dada sua previsibilidade — mas exaspera. Fez uma foto com o rosto coberto por uma camisa preta, que foi postada em sua conta nas redes sociais. “É uma violência simbólica proibir o uso de máscaras. Dia 07 de setembro todos deveriam ir às ruas mascarados”, escreveu.

Sua ex-muher e ainda empresária Paula Lavigne ficou, claro, extática: “Meu Deus. Ninguém segura painho!”. Marcelo Freixo (PSOL-RJ) também curtiu. “Sensacional! Quanto orgulho!”, disse.

Aos 70 anos, ele continua tentando parecer atraente aos jovens. Nos anos 80, aproximou-se de Cazuza e de outros nomes do rock brasileiro. Há poucos dias, se apresentou com o rapper Emicida no prêmio Multishow.

Em seus dois últimos discos, se faz acompanhar de um baixista, um guitarrista e um baterista. As (poucas) melhores coisas são as canções. Não existe uma química genuína. Ele se enfia num terno estético três números menor. Por mais que se esforce, ele NÃO É um roqueiro. O público sabe disso e, em seus shows, o que as pessoas querem ouvir são clássicos de 30 anos atrás.

Caetano elogiou o Fora do Eixo, com sua contabilidade estapafúrdia diluída numa conversa para boi dormir (importante: elogiou depois das cacetadas que o grupo levou).  Viu aí um espaço e tomou conta. Seu apoio aos black blocs segue essa lógica.

De todos os artistas que pegaram carona nas manifestações, ele foi o mais bem sucedido. Burro, não é. É covardia compará-lo a Dinho, por exemplo, do Capital Inicial, que escreveu um “manifesto” limítrofe. Ao invés de tentar compor um hino, que daria mais trabalho e fatalmente seria uma bobagem demagógica (vide a desgraçada “Chega!”, de Seu Jorge e mais alguém), Caetano tira uma foto mascarado e fala algumas frases de efeito. Pronto.

Aí é torcer para a facção do Anonymous que prega o retorno dos cantores baianos à terrinha não armar um acampamento em frente à sua casa e quebrar seu carro.”
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: