Globo quer que TSE dê um “jeitinho” pra validar Rede


Miguel do Rosário, Tijolaço

“A Rede da Marina Silva começou mal! Usando o poder da mídia, que tem interesse político na criação do partido, para pressionar o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a validar a legenda mesmo sem a totalidade das assinaturas reunidas.

A serpente botou de vez a cabeça para fora do buraco. A Globo agora está tendo que assumir a vanguarda de todas as campanhas da direita. Folha e Estadão procuram ser mais discretos. A Globo, não. Perdeu a vergonha.

É absolutamente natural e até saudável defender a criação da Rede. Eu mesmo, sou a favor da criação da Rede. Mas sem favor ou exceção!
Pressionar o TSE para dar um “jeitinho” é uma infâmia. Depois de desmoralizar o STF, que se vergou à pressão da mídia durante o julgamento da Ação Penal 470, querer fazer o mesmo com o TSE é um acinte à sociedade brasileira!

Na sexta-feira, os que defendem que o TSE dê um “jeitinho” e valide a Rede de qualquer jeito sofreram uma dura derrota. O novo vice-procurador geral eleitoral, Eugênio José Guilherme de Aragão, deu uma verdadeira bronca pública contra esse tipo de pressão, e declarou, em alto e bom som, que a Rede não cumpriu as exigências legais.

Segundo Aragão, a Rede só conseguiu, até o momento, 20% das assinaturas necessárias.

“Não tem conversa, a lei é peremptória. Não há como fazer concessão nesse tipo de coisa”, disse. Segundo ele, integrantes do Ministério Público Eleitoral e do TSE têm concentrado os esforços no tema. “A gente faz o que pode. Não é uma questão contra ou a favor de qualquer um, mas temos que trabalhar dentro do Código Eleitoral. Dia 5 de outubro é o prazo fatal”, disse o vice-procurador-geral.

Aragão aproveita para cutucar, com elegância mas severidade, a obsessão eleitoreira de alguns:

“Ressalte-se que eventual prejuízo político-eleitoral decorrente da não participação episódica na eleição próxima por parte da agremiação em formação não compromete sua plena participação na vida política da sociedade e, notadamente, nos pleitos subsequentes”, afirma Aragão, em trecho do parecer.

“A diminuição que eventual e episódica não participação representa ao regime democrático constitucional é ínfima (se é que existe) comparada com o dano que causaria o deferimento definitivo para todos os pleitos seguintes de registro de partido sem efetivo âmbito nacional comprovado. (…) Não é ocioso lembrar que o interesse tutelado não é senão o permanente debate democrático, e não a disputa em pleito específico”, aponta o parecer.

Ou seja, a Rede pode participar livremente da vida política do país. Mas para participar das eleições de 2014, a regra é clara, e não foi cumprida.

Não é justo culpar o TSE ou a “burocracia”. O TSE do Brasil é, com muita justiça, um modelo no mundo. Rápido, eficiente e confiável.

Se até o PEN, sem nenhum apoio das elites, da mídia ou do Itaú, conseguiu reunir assinaturas, porque a Rede não conseguiu?

A grande e óbvia pergunta que se faz é: como um partido que não tem competência para reunir 492 mil assinaturas válidas pretende ser competente para governar o Brasil?

Pior, como um partido que defende descaradamente que o TSE abra uma “exceção” para si mesmo pretende representar qualquer avanço num regime democrático?

Segundo os jornais, a Rede ingressará no STF caso o TSE não valide o partido a tempo.

Ora, começar um processo político brigando com a principal instância eleitoral no país, e ainda com ajuda dos golpistas da Globo, não me parece um início promissor para nenhuma legenda partidária.

Em suas colunas de hoje, Merval Pereira e Miriam Leitão pressionam o TSE a validar a Rede. Não apresentam nenhuma prova de que o TSE tenha cometido qualquer irregularidade no processo de validação das assinaturas. Apresentam apenas razões “políticas”, muito mal ajambradas por sinal.

O fato é que, de uns vinte anos para cá, o ecologismo começou a ser espertamente assumido pela direita. Ecologia, sustentabilidade, são conceitos modernos, fundamentais para a sobrevivência do planeta. Por isso mesmo temos que nos cuidar para que alguns espertinhos não manipulem esses ideais em prol de interesses nada “sustentáveis”.

Marina Silva, se quiser apoio do povo, terá que sair dos jornalões, dos seminários do high-society, e vir às ruas, e falar concretamente sobre os problemas sociais que ainda afligem o povo.

Terá que se posicionar sobre os Mais Médicos, por exemplo.

Se quiser ser uma estadista, terá que falar sobre o problema de espionagem, e dar uma opinião assertiva sobre o pré-sal.

Enfim, terá que rasgar essa fantasia de esfinge, que a mídia cria em torno de algumas figuras, para que tenham votos à direita e à esquerda mesmo sem dizer coisa com coisa.

Será Marina um black boc vestido de verde e patrocinado pelo Itaú? Um green boc?”
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: