Fernando Brito, Tijolaço

"Embora “dando uma aliviada” na gravidade das informações até agora reveladas no caso Siemens-Governo de São Paulo – ao dizer que só o que se tem é  a “palavra de um ex-diretor da Siemens que tem amigos no PT e resolveu cooperar com o Ministério Público e a Polícia Federal” - o editor de política da Folha, Ricardo Balthasar , dá uma beliscada em Geraldo Alckmin com os efeitos do caso do “trensalão”.

O que significa isso, ainda não dá para dizer.

Como não se pode adivinhar qual será a posição do jornal, tão serrista no passado, com o governador, agora que depois que ele ignorou a tentativa de Serra de ser o candidato à presidência.

Muito menos a do próprio Serra.

Veja o curioso artigo de Balthazar, um dos mais lidos da edição da Folha desta quinta-feira:

Não é com ele

 Diante das investigações sobre o cartel de empresas que se uniu para fraudar licitações de trens nas administrações do PSDB em São Paulo, o governador Geraldo Alckmin comporta-se às vezes como se o assunto não fosse com ele.

Em outubro, ele apareceu falando grosso em anúncio veiculado por seu partido na televisão. “Nós queremos toda a verdade, somos o maior interessado nisso”, disse. “Vou fundo nessa história, punir os culpados.”

Três dias depois, a Corregedoria do Estado recomendou à Secretaria de Planejamento que demitisse imediatamente um funcionário sob investigação por causa de suas ligações com a turma do cartel, Pedro Benvenuto.

Passados dois meses, o próprio Benvenuto decidiu entregar na semana passada o cargo que ocupava, como a Folha informou ontem. A Secretaria do Planejamento afirma que ainda estava estudando o que fazer com o caso quando foi surpreendida pela decisão de Benvenuto.

Não é fácil para Alckmin olhar para o outro lado. Dois auxiliares de sua confiança, o chefe da Casa Civil, Edson Aparecido, e o secretário de Desenvolvimento Econômico, Rodrigo Garcia, foram acusados de receber propina para facilitar negócios do cartel com o governo estadual.

Alckmin decidiu mantê-los, por uma razão simples. Tudo que apareceu contra eles até aqui é a palavra de um ex-diretor da Siemens que tem amigos no PT e resolveu cooperar com o Ministério Público e a Polícia Federal. O governador sabe dos riscos que corre. Se as investigações avançarem no ano em que ele estará em busca da reeleição, mais revelações poderão lhe causar enorme embaraço.

Alckmin enfrentará uma eleição difícil em 2014. Ele acha que terá um trunfo se conseguir preservar a imagem de bom moço e administrador austero que os eleitores costumam associar a ele. Pode ser. Mas muito dependerá do andamento das investigações sobre o cartel, uma variável hoje completamente fora do controle do governador."
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: