Confissão de Sherazade: é funcionária fantasma

"Apresentadora do SBT, que se tornou um dos ícones do neoconservadorismo, muitas vezes destrambelhado, admitiu, em entrevista à jornalista Mônica Bergamo, que é também servidora do governo da Paraíba, como escrivã, a despeito do salário de R$ 150 mil mensais

Brasil 247

Um trecho da entrevista de Rachel Sherazade à jornalista Mônica Bergamo, em que a apresentadora do SBT afirmou, entre outras coisas, que "Reinaldo Azevedo é um fofo" (leia aqui), vale como uma confissão. A jornalista, que vem ganhando terreno na arena neoconservadora, admitiu ser funcionária-fantasma do governo da Paraíba, a despeito dos rendimentos mensais de R$ 150 mil. Confira abaixo:
 
Três dias depois, em pleno reinado de Momo, recebeu uma ligação de Leon Abravanel, sobrinho de Silvio Santos e diretor de produção do SBT. "Achei que fosse trote." O contato era um convite para vir a SP conhecer a rede. "Vim desconfiando que seria um convite. Nunca quis sair da minha cidade, não preciso sair da minha região para me realizar." Mas topou.
Até então fazia dupla jornada. Passou em um concurso para ser escrivã em um tribunal para ajudar a fechar as contas, porque o jornalismo na Paraíba "não bastava". Está licenciada e termina nos próximos dias o período máximo de afastamento. "Vou pedir desligamento."
Passaram-se mais de mil dias até a certeza de que poderia abdicar da estabilidade do funcionalismo público. Ela não fala em dinheiro, mas o salário de apresentadora, em torno de R$ 150 mil, permitiu que seu marido, Rodrigo, deixasse o emprego na Paraíba para acompanhá-la."

Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

4 comentários:

Anônimo disse...

Desinformação completa! Na própria reportagem dá para inferir que ela pediu afastamento e que esse período expirou, necessitando assim escolher entre o desligamento do cargo publico para ganhar os 150 mil na nova função no SBT.

Anônimo disse...

Anonimo tem razão... o próprio texto explica que estava licenciada e agora tem que optar... Isso tem algum problema? Isso não é ser funcionária fantasma... A quem interessa esse tipo de factóide?

Anônimo disse...

Mas é claro que tem problema. Ela ficou três anos segurando uma vaga que outra pessoa poderia estar usando, está trabalhando no setor privado e nunca apareceu para trabalhar no setor público. Ela não está doente, não teve nenhum problema que justificasse essa licença, ela simplesmente está vendo, se não der certo, volta para a vaga pública, e ainda vem posar de moralista.

Amanda Morais disse...

Lógico que tem problema! Não ha nada que justifique a licença por tanto tempo a não ser o espreitar as condições do setor privado para ver se vale a pena abrir mão da estabilidade do público! Isso pra mim é boicote ao proprio estado que ela mesmo culpa pela ação sem fundamento dos "justiceiros". Ela recebeu verba pública que algum funcionário publico decente poderia ter ocupado e que quem sabe, colaboraria pra melhoria da tal condição do Brasil que ela aponta!