Aécio visita Azeredo e pede respeito ao "drama"

"Acompanhado do governador de Minas, Antônio Anastasia, o deputado federal Duarte Nogueira (SP) e o pré-candidato tucano ao governo de Minas Pimenta da Veiga, presidenciável do PSDB foi à casa do réu do mensalão tucano; disse que o encontro foi "natural" e afirmou que a discussão sobre a presença ou não do ex-deputado em seu palanque "não está em consideração"

Brasil 247

Um dia após sua renúncia na Câmara dos deputados, Eduardo Azeredo (PSDB-MG) recebeu em sua casa, em Belo Horizonte, o presidenciável tucano Aécio Neves.

Azeredo é réu do mensalão tucano, processo que corre no Supremo Tribunal Federal, sobre o suposto esquema de caixa 2 montado em sua campanha à reeleição no governo de Minas, em 1998.

Com a renúncia, Azeredo perdeu o foro privilegiado e o processo poderá ser remitido à Justiça de primeira instância, atrasando o julgamento. O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse que vai avaliar se a Ação Penal 536, o processo do mensalão mineiro, continuará em tramitação nesta Corte.

A distância imposta por parlamentares do PSDB e a falta de apoio do partido influenciou na decisão de Eduardo Azeredo (PSDB-MG), de renunciar. Na carta de renúncia, entregue na Câmara nesta quarta-feira, Azeredo alega ter sido vítima de uma "hedionda inquisição" promovida pelo Ministério Público.

Acompanhado do governador de Minas, Antônio Anastasia, o deputado federal Duarte Nogueira (SP) e o pré-candidato tucano ao governo de Minas Pimenta da Veiga, Aécio disse que o encontro foi “natural” e pediu que "respeitem o drama" de Azeredo.

"Fiz o que é natural. Ele tomou uma decisão pessoal (de renunciar) e agora vai se preparar, vai se dedicar à sua defesa", disse Aécio. O senador mineiro voltou a dizer que Azeredo é um "homem de bem" e afirmou que a discussão sobre a presença ou não do ex-deputado em seu palanque "não está em consideração".
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

Edemar Motta disse...

Nunca dantes na história deste País houve defesa tão fácil para um acusado: basta sentar e deixar o tempo passar, talvez até assistindo ao clássico "Come Se
ptember".