Para a PM de São Paulo, a desmilitarização é parte de um grande complô comunista

, Diário do Centro do Mundo 

"Coronel reformado, Adilson Paes de Souza tem sido uma voz bastante ativa na defesa da desmilitarização das polícias brasileiras.

Agora, a Polícia Militar de São Paulo resolveu enviar uma nota oficial rebatendo suas opiniões, buscando desqualificá-lo e a quem concorda com ele.

A PM preferiu ir pelo viés ideológico.

Para a instituição, o correto talvez seja uma imensa fogueira como as retratadas no filme “Fahrenheit 451″, de modo a que a “intelectualidade” fique sujeita aos valores da Tradição, Família e Propriedade. O filme, baseado na obra de Ray Bradbury, descreve um governo totalitário que proíbe qualquer livro, prevendo que o povo possa ficar instruído e se rebelar contra o status quo. As pessoas só têm acesso à informação através da TV. Era assim no nazismo.

Na resposta da PM, a “ideia” de desmilitarização está vinculada ao grande plano comunista em marcha.

“Muito provavelmente a resposta esteja em outro século e em outro continente, nascida da cabeça de alguém que pregou a difusão de um modelo hegemônico, que se deve construir espalhando intelectuais em partidos, universidades, meios de comunicação. Em seguida, minando estruturas básicas e sólidas de formação moral, como família, escola e religião”, diz a nota.

Intelectuais são um perigo, correto? Veja como prossegue: “Se não fosse terrível, seria cômico, porque denota, sim, a construção de um pensamento que se pretende coletivo, a partir de pessoas que se sentem intelectuais.” A intelectualidade é um sentimento?

“Em que mundo esses ‘especialistas’ fundamentam suas teorias?”, pergunta o comunicado.

A questão da desmilitarização vem promovendo debates numa periodicidade quase quinzenal com a comunhão de vários movimentos sociais em torno do tema. Sobretudo coletivos da periferia e da comunidade negra. São os “especialistas” em tratamento oferecido pela PM.

As práticas adotadas pela instituição variam conforme a região da cidade, a cor de pele do “suspeito” e da idade do “meliante”. O estudo da UFSCar mostrado no DCM na semana passada confirma isso. Não se trata de “achismo”, “fundamentalismo”, “comunismo” ou qualquer outra teoria de conspiração que a PM queira desenvolver.

Nem mesmo quando busca demonstrar senso crítico a nota sensibiliza. “Somos a instituição que mais depura seu público interno, sujeita a regulamentos, códigos rígidos de conduta e com uma corregedoria implacável contra agressores de policiais e contra policiais bandidos.”

Mas passados 21 anos do massacre do Carandiru, a Polícia Militar do Estado de São Paulo não moveu nenhum processo administrativo disciplinar contra os homens que atuaram naquele dia 2 de outubro de 1992. O processo no qual 73 policiais militares já condenados (a maioria hoje aposentada), foi pelo tocado pelo Ministério Público. Nenhum deles foi punido pela corporação, nem recebeu qualquer tipo de anotação em suas fichas profissionais.

Só isso já traduz o quanto a corporação está dissociada dos anseios da sociedade.

A nota da PM mais pareceu um manifesto da Marcha da Família a ser lido por Rachel Sheherazade sobre o caminhão de som."
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: