O desabafo de Ronaldo

Ronaldo
, Diário do Centro do Mundo 

"Quando penso em certas coisas que falei, tenho inveja dos mudos, escreveu Sêneca.

É uma ocasião em que a frase cabe para Ronaldo.

Tanta coisa para sentir vergonha, e o atraso nas obras da Copa é que desperta nele indignação ululante?

Ansiedade em relação a um grande evento é normal. Em Londres, em 2012, testemunhei pessoalmente a aflição dos ingleses sobre o estado das obras para as Olimpíadas.

Em determinado momento, o prefeito de Londres foi obrigado a se pronunciar em termos enfáticos para acalmar os ânimos inquietos dos ingleses.

Uma festa que você dê. Você só sossega depois que ela acaba. Enquanto isso não acontece está sempre achando que os preparativos estão atrasados.
Não somos os campeões mundiais de planejamento. Mas nem os alemães em 2006 escaparam da sensação de atraso.

Só vamos ter uma ideia precisa das coisas, como numa festa, na hora em que efetivamente começar a Copa.

A “vergonha” de Ronaldo ajuda a alimentar um sentimento macabro de autodesprezo entre os brasileiros: não servimos para nada, é o que se deduz de suas palavras.

Somos ineptos. Somos burros. Somos piores que todos. É o Narciso às avessas de que falava Nelson Rodrigues.

Você não constrói um país dando chibatadas morais em você mesmo.
Uma das coisas mais nocivas espalhadas pelos colunistas de direita hoje é exatamente isso: o país é um horror. Banânia, segundo um deles.

Fora lançar as pessoas num estado inútil de depressão, isso só serve para tentar semear entre os inocentes úteis a convicção de que a direita – como os generais na ditadura – conserta tudo. Aspas e pausa para me livrar da irritação.

Ronaldo não parece ter motivação política nenhuma, embora sua frase tenha sido alardeada com júbilo pelos profetas do apocalipse.

Foi apenas uma imensa tolice, provavelmente.

Vergonha ele poderia ter tido da barriga com a qual envergou, tantas vezes, a camisa do Corinthians em troca de dinheiro milionário.

Vergonha ele poderia ter dito que tem, como lembrou um leitor do DCM, da desigualdade social brasileira.

Que lindo seria se ídolos como Ronaldo rejeitassem a iniquidade.

Avançaríamos em velocidade muito maior rumo a uma sociedade escandinava, ou próxima disso.

Lastimável, mesmo, é a sorte de muita gente que perdeu sua casa por conta das obras da Copa.

Os jogadores brasileiros, caso ganhem a Copa, deveriam dedicar o título especialmente a eles, os removidos – nossos irmãos invisíveis.

Que venha a Copa. Que ela traga e alterne, como o esporte sempre faz, euforia e lágrimas, de acordo com os resultados positivos ou adversos.

E que carreguemos, isso sim, quaisquer que sejam as circunstâncias, os removidos em nossas lembranças. Eles e os operários mortos nas obras.

Que os mortos sejam lembrados. Que virem nome de ruas, que se crie um monumento para eles. Que suas famílias sejam exemplarmente indenizadas.

O resto, para lembrar a grande frase shakespeariana, é silêncio – e a torcida para que tudo corra bem na Copa."
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

Teresinha disse...

Ronaldo de boca fechada vale mais que o que foi pago prá ele enquanto jogava futebol.