Até a Sabesp já admite: #vaifaltarágua

Altamiro Borges, Blog do Miro 

"Apesar das insistentes negativas do governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) e do generoso silêncio da mídia tucana, a própria Sabesp já admite que vai faltar água em São Paulo. Num estudo técnico apresentado nesta semana, ela fez a revisão de suas projeções para o Sistema Cantareira, que abastece 9 milhões de pessoas na região metropolitana. A Sabesp traçou três cenários possíveis para os próximos cinco meses. Em dois deles, o montante de água autorizado para o bombeamento do chamado “volume morto” não garante o abastecimento até 30 de novembro. O racionamento – ou “rodízio”, como afirma a mídia amiga – deve vitimar ainda mais bairros da capital e cidades próximas.

Segundo o jornal Valor desta quarta-feira (4), “a revisão das projeções foi pedida pelo Grupo Técnico de Assessoramento para Gestão do Sistema Cantareira (GTAG). Em relatório feito após recebimento dos novos cenários traçados pela empresa, o grupo considerou que pode ser necessário ampliar o uso da reserva técnica (‘volume morto’) do sistema. No cenário mais otimista, que considera as afluências iguais às mínimas históricas, a Sabesp teria 45 milhões de metros cúbicos por segundo de água em 30 de novembro deste ano, garantindo o abastecimento... Já no pior cenário, que considera afluências médias de água iguais a 50% das mínimas históricas, os volumes disponíveis se esgotariam em 27 de outubro”.

Ainda segundo a reportagem, o GTAG sugeriu até algumas medidas de “restrição do uso” da água. “O grupo recomendou que seja definido um volume disponível estratégico a ser preservado ao final do período de planejamento e que seja definida uma metodologia de alocação de água para o horizonte de curto prazo (até 30 de novembro)... Por fim, sugeriu que sejam feitos estudos e viabilizadas medidas de restrição de uso para os usuários localizados nas Bacias PCJ (rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí) e Alto Tietê, bem como critérios e procedimentos para eventuais acréscimos de descargas à jusante do Sistema Cantareira, na Bacia do rio Piracicaba, ‘para atendimento das demandas prioritárias’”.

O PSDB – que comanda o estado há duas décadas e não investiu o necessário no setor – tem feito de tudo para evitar cortes mais drásticos de água antes das eleições de outubro. As medidas estabanadas adotadas pelo governo tucano – como a fixação de multas e prêmios e o uso do “volume morto” – têm motivação puramente eleitoreiras. Geraldo Alckmin, que tenta a reeleição, ainda conta com a ajuda da mídia amiga, que evita fazer escarcéu sobre o fiasco do “choque de gestão” – ou de indigestão – do tucanato. Vários bairros da capital paulista e cidades da região metropolitana já sofrem com a falta de água. Se Alexandre Padilha (PT) fosse governador, a velha imprensa já teria produzido um tsunami!

Diante desta situação dramática, alguns setores dos movimentos sociais começam a acordar e devem ir às ruas contra a incompetência tucana. CUT, CTB, MST, UNE e outras entidades populares agendaram para esta quinta-feira (5) um protesto em frente à sede da Sabesp. O objetivo “é esclarecer a população sobre a grave crise no abastecimento de água e denunciar o descaso do governo estadual com a falta de investimentos no setor”, afirma a convocatória da manifestação. A data foi escolhida porque marca o Dia Mundial do Meio Ambiente, definido pela ONU."
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

2 comentários:

Anônimo disse...

Esse site é petralha!

Anônimo disse...

Esse comentário é tucanalha