Circo do futebol já foi montado na Granja Comary


Ricardo Kotscho, Balaio do Kotscho

"Logo na primeira semana de treinamentos da seleção brasileira, em Teresópolis, a Granja Comary já foi transformada numa grande cidade cenográfica. Um verdadeiro circo do futebol  está montado na concentração, com prioridade para a Globo, é claro, a emissora que tomou conta do pedaço e é quem dá as cartas, como se aquilo fosse uma filial do Projac.

Tudo bem, a Globo pagou uma nota para ter os direitos de transmissão da Copa no Brasil, mas não me consta que também tenha contratado, com exclusividade, o elenco da seleção. Já fiz a cobertura de dois Mundiais e sei como é difícil conseguir entrevistas com a comissão técnica e os jogadores. Durante os treinos e dentro da concentração, era impossível.

Com Zagalo no comando, em 1974, na Alemanha, e Telê, no México, em 1986, havia horários rígidos e limites para o trabalho da imprensa, que todo mundo respeitava. Ninguém tinha privilégios. Agora, com o sargentão Felipão de técnico, com sua cara de mau e intransigente zelador das regras, está virando uma festa do caqui.

Durante a semana, Felipão chegou a interromper um treinamento _ por conta própria ou atendendo a ordens superiores _ para que um apresentador global, acompanhado dos filhos e de um cadeirante, pudesse gravar cenas do seu programa dentro do campo, quando os jogadores já tinham feito o aquecimento.

No domingo, só faltou cobrir a Granja Comary com uma lona. Apareceu _ e como apareceu! _ até a mocinha da novela das nove, namorada de Neymar, que se tornou a grande estrela do primeiro treino coletivo, ofuscando as estrelas de Felipão. Bruna Marquezine estava à vontade, como se estivesse gravando mais um capítulo da novela, não se vexando de ficar aos amassos com o jogador na beira do campo, ao vivo, para todo o Brasil.


Para não perder o protagonismo na mídia, e mostrar que é ele quem manda, ao final do treino o técnico deu um esporro geral nos jogadores na frente dos jornalistas. "Não gostei do treino, não gostei de nada. Tudo errado. Muita coisa errada. Muita liberdade, muito contra-ataque, uma série de detalhes que não são normais na seleção", esbravejou. Deve ter algum lugar, imagino eu, mais reservado naquele latifúndio para o técnico acertar os ponteiros com seus jogadores e para que eles recebam suas namoradas.

De fato, Felipão tem toda razão, mas sua bronca não deveria se limitar ao time. Até o seu parceiro de comando na comissão técnica, Carlos Alberto Parreira, levou os netos para dentro do campo na granja da CBF. Começamos mal.

Ao contrário do que vi na Alemanha e no México, onde não fomos campeões, mas todos levaram o trabalho a sério, este clima de oba-oba lembra mais o da concentração da seleção brasileira em 1950, quando todo mundo comemorou o título antes da hora e até hoje tem gente chorando a derrota na final contra o Uruguai em pleno Maracanã. A diferença é que, em 2014, ainda não apareceram os políticos em campanha, como naquele ano fatídico, em que a televisão estava engatinhando no Brasil. Menos mal. Nem o cacique-mor José Maria Marin foi visto por lá no furdunço de domingo.

Ainda é tempo de botar ordem na casa. É bom lembrar que faltam apenas dez dias para o jogo de estreia contra a Croácia. Para começar, acho que o grande ídolo Neymar não pode continuar aparecendo mais na telinha, em comerciais, programas de televisão ou namorando, do que dentro dos campos de treinamento. Treino é treino, jogo é jogo e, na hora de trabalhar, é trabalhar duro. Convém deixar para fazer festa depois do último jogo."
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: