Aécio não existe mais. A direita é Marina


Fernando Brito, Tijolaço  

"A entrevista coletiva convocada hoje por Aécio Neves para dizer que não, não ia renunciar à sua candidatura é, paradoxalmente, sinal de que a direita  renunciou à candidatura dele, Aécio.

Aécio, na verdade, nunca encantou o conservadorismo.

Não porque não fosse conservador, politicamente, ou que fosse contrariar seus interesses.

Mas porque era e é um saco vazio, incapaz de se por de pé mesmo com o apoio da mídia de que gozou todo este tempo.

Nada separou dele, mesmo diante da classe média, a imagem de um artigo de segunda,  um “filhinho de papai”, candidato apenas porque o tucanato real – e paulista – não tinha outro nome a apresentar.

Agora, sim, a direita tem uma candidata.

Marina embarcou, de vez, no papel de exótica domesticada, capaz de ronronar à Corte.

E, rugir contra os que, um dia,foram seus.

Há algo no traidor que o torna farisaico.

É aquela afetação que o impede de dizer: “mudei”. São os outros, o mundo, todos que mudaram.

Os que eram bons, fizeram-se maus; os maus fizeram-se bons.

E seu ego, o centro do Universo, manteve-se estático, sólido, central.

Marina tem a trajetória parada no tempo, dos tempos em que fazia o “empate”, aquele movimento seringalista que impedia o avanço das máquinas sobre a floresta.

Seu “empate”, agora, porém, é de outra ordem.

Serve apenas para impedir o avanço do país, do crescimento econômico e da distribuição de renda.

Não quer petróleo, energia elétrica, estradas, ferrovias.

Não quer Governo, quer ONGs.

Não é candidata a presidente, é candidata a impedir a continuidade de um projeto nacional-popular.

O “empate” de Marina é a derrota do Brasil."
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: