MP aciona Minas e questiona gastos com Saúde


"Em mais uma ação, ajuizada sexta-feira (17) na Justiça de Minas Gerais, Promotoria acusa governo de maquiagem nas contas estaduais entre os anos de 2003 e 2010, durante a gestão de Aécio Neves; de acordo com a ação, R$ 1,3 bilhão da estatal de saneamento Copasa foram inseridos como investimentos na saúde com o objetivo de atingir o percentual constitucional mínimo de 12%; a campanha da presidente Dilma Rousseff (PT) acusa o adversário tucano de deixar de investir R$ 7,7 bilhões na área durante seus dois governos e o tema foi explorado nos últimos debates

Brasil 247

O Ministério Público do Estado de Minas Gerais protocolou na sexta-feira (17) ação contra o governo estadual por uma suposta fraude orçamentária nos gastos na área de saúde entre os anos de 2003 e 2010, época em que o Estado era governado pelo atual senador e candidato à Presidência da República Aécio Neves (PSDB). Segundo a ação, o governo promoveu uma maquiagem nas contas da área inserindo R$ 1,3 bilhão em recursos da empresa estatal de saneamento, Copasa, para que fosse atingido o percentual constitucional de 12% a ser investido na área.

A ação, segundo informa o jornal Folha de S. Paulo, foi proposta por três promotores e pede o ressarcimento aos cofres públicos do montante desviado. Em outra ação que tramita na Justiça mineira, o MP pede o ressarcimento de outros R$ 4,3 bilhões que deveriam ter sido investidos na saúde entre 2003 e 2008. Somados, os valores se aproximam dos R$ 7,7 bilhões que a presidente Dilma Rousseff (PT) tem dito na campanha que deixaram de ser investidos na saúde nas gestões de Aécio.

A promotora da área da Saúde do MP de Minas Gerais, Josely Ramos, já havia proposto, também em 2010, uma ação de improbidade administrativa contra Aécio, alegando que entre 2003 e 2008 mais de 50% dos investimentos da saúde provinham de iniciativa da Copasa. A acusação se baseia no fato de que o governo teria inserido investimentos em saneamento básico como gastos na saúde. Uma auditoria revelou, no entanto, que a estatal não recebeu verbas do Estado para a saúde. A própria estatal teria reconhecido, segundo a ação.

A ação de improbidade contra Aécio, porém, foi arquivada pelo procurador-geral de Justiça de Minas Gerais, André Bittencourt, sob alegação de que Josely não teria legitimidade para processar um governador, atribuição dele. A promotora recorreu alegando que, no segundo semestre de 2010, Aécio havia deixado o governo, desincompatibilizando-se para disputar o Senado. `

À Folha, o governo de Minas negou qualquer irregularidade afirmando que nos anos citados nas ações ainda não havia sido regulamentada a emenda constitucional que define os percentuais de investimento no setor. Alegou ainda que as contas do governo Aécio foram aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado, mesmo argumento apresentado pelo tucano."
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

Galvam disse...

O ministério público mineiro se é que esta notícia é verdade, não deve ter nenhum membro que não seja favorável ao PT em gênero número e grau!Vejam que de ano para ano é preciso que as contas dos governos estaduais sejam aprovadas e fiscalizadas por uma entidade chamada de Tribunal de Contas Estadual!!! Se o TCE MG julgou procedente as contas do governo Aécio, então não há motivos nenhum para ajuizar tal ação! A acusação de "maquiar" contas joga a credibilidade dos membros do TCE no chão!E por conseguinte do próprio órgão!Quem não poderá então aprovar contas do governo do PT que vai assumir!!