Alckmin mentiu sobre crise da água

Altamiro Borges, Blog do Miro 

Durante a campanha eleitoral, o governador Geraldo Alckmin (PSDB), simpatizante da Opus Dei, jurou por Deus que não havia crise da água em São Paulo. Blindado pela mídia chapa-branca, que recebe fortunas em anúncios publicitários e outras regalias, o tucano foi reeleito no primeiro turno. Passado o pleito, porém, muitos paulistas devem se perguntar se não foram vítimas de um estelionato eleitoral. Nesta segunda-feira (10), o governador se reuniu com a presidenta Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto, para implorar ajuda financeira no enfrentamento da grave crise – que já afeta milhões de famílias. Ele apresentou um plano para a realização de oito obras de infraestrutura, ao custo de R$ 3,5 bilhões.

Na saída da audiência, Geraldo Alckmin ainda tentou escamotear a mentira da campanha. Diante dos jornalistas domesticados, ele garantiu que não há racionamento no Estado, mas apenas “uso racional da água”. O governo federal ficou de estudar a demanda. “A presidenta viu com bons olhos o conjunta das obras, mas vamos ter uma conversa mais aprofundada para que ela bata o martelo naquilo que o governo federal ajudará São Paulo. Estamos muito preocupados com a situação e o governo federal está disposto a contribuir com soluções para o problema na região metropolitana”, afirmou a ministra do Planejamento, Miriam Belchior. A presidenta solicitou ao governador que detalhasse cada uma das obras.

Com o penico (ou balde) na mão, o grão-tucano até propôs um armistício. "Tivemos disputas eleitorais legítimas, mas o palanque acabou”, disse. “Alckmin afirmou que qualquer valor que o governo federal puder contribuir será bem-vindo. ‘O governo de São Paulo precisará do máximo que puder. Pode ser recurso a fundo perdido, do Orçamento Geral da União, ou pode ser financiamento’, disse o governador”, segundo relato da Folha. Esta postura mais branda e civilizada (para não dizer oportunista) deve ter desagradado os setores mais hidrófobos do PSDB, que mantém o clima de guerra e baixarias da corrida sucessória e até falam em impeachment de Dilma.

Imagina se a moda pega. Os paulistas também poderão sair às ruas exigindo o impeachment de Geraldo Alckmin por estelionato eleitoral. Para o cambaleante Aécio Neves, que perdeu o governo de Minas Gerais e está pendurado na brocha, interessa radicalizar o discurso, alimentando os golpistas da direita. Do contrário, a sua carreira pode cair no ostracismo e virar pó – só restando o destino do “aecioporto” de Cláudio. Já para o governador paulista, a questão imediata é abrandar a crise de abastecimento no Estado. Do contrário, o seu projeto presidencial para 2018 corre sérios riscos. Um tucano morde e outro assopra. As bicadas no ninho podem ficar mais sangrentas nas próximas semanas!" 
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: