PSDB e Serra tomam um banho de Lava Jato

543eef0ca47f5_992

Miguel do Rosário, Tijolaço  

"Está cada vez mais difícil para o PSDB fingir que não tem nada a ver com o escândalo das empreiteiras.

Governando o estado mais rico do país há mais de 20 anos, onde estão sediadas a maioria das empreiteiras investigadas na operação Lava Jato, os tucanos construíram relações políticas nada republicanas com estas empresas.
Igualmente está cada vez mais difícil, para a mídia, recortar a corrupção que envolve Petrobras e empreiteiras a um caso isolado.

Não é. As empreiteiras capturadas nos esquemas da Lava Jato são responsáveis por todas as obras públicas no país.

E provavelmente há corrupção em toda parte.

O país tem agora a oportunidade de combater, pela raiz, a cultura de corrupção, mas somente se não quiser manipular politicamente uma investigação criminal dessa magnitude.

Ninguém acusa o PSDB de ter inventado a corrupção no país.
Ninguém quer a “eliminação” do PSDB.

Já a Globo, em editorial publicado hoje, em que tenta usar a Lava Jato para defender a cessão do pré-sal para petrolíferas estrangeiras, fala em “esquema de corrupção montado pelo lulopetismo na estatal”.

Ora, a primeira declaração pública dos promotores responsáveis pela operação dizia que o esquema foi iniciado há 15 anos, portanto em plena era FHC.

É simplesmente desonestidade da Globo falar em “esquema montado pelo lulopetismo”.

Hoje, na Folha, há uma matéria reveladora de que a corrupção no setor de construção civil está diretamente ligada ao sistema de financiamento eleitoral.

Em meio a uma das vistorias da PF na Operação Lava Jato, numa das empreiteiras envolvidas, a Queiroz Galvão, encontrou-se uma planilha em que a empresa calcula doações a políticos tucanos de São Paulo de acordo com o preço da obra pública que será realizada pelo governo do estado.

José Serra é citado nominalmente, e a empreiteira confirmou tudo: de fato, o cálculo era assim. O governo entrega uma obra com valor x para uma empreiteira, e ela doa um percentual de x ao partido político que controla o governo.

Simples como um poema da Cecília Meirelles.

E como o PSDB reage?

Dizendo que isso é coisa dos “blogs sujos, financiados pelo governo federal”.
A matéria nem foi apurada pelos blogs, e sim pela imprensa familiar.

A reação do PSDB, atacando os meios de mídia mais frágeis e mais vulneráveis (apesar da influência crescente), mostra de onde vem a ameaça real à liberdade de expressão no país.

E os jornalistas da grande mídia ainda se prestam ao papel ridículo de falar em ameaça bolivariana à “imprensa livre”.

Ora, se há ameaça, ela vem, como sempre aconteceu na história do Brasil, da direita golpista.

É também um alerta ao governo federal: a falta de um sistema de financiamento mais democrático nos joga no pior dos mundos. Só a grande mídia tucana ganha dinheiro do governo, fortalecendo-se dia a dia, ao mesmo tempo em que os tucanos e a mídia trabalham diuturnamente para marginalizar os blogs, tentando lhes bloquear acesso à qualquer publicidade pública ou privada.

Afinal, que empresário anunciará “um blog sujo patrocinado pelo governo federal”?

Posso até imaginar uma charge de humor, mas com fundo realista: um blogueiro sujo, esquelético, vestindo trapos e postando embaixo de uma ponte, enquanto passa um ricaço dirigindo seu carrão, ao lado do filho: “olha ali, filho, este é um blogueiro sujo financiado pelo governo federal”.
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: