Deus conserve os imbecis. Mas não exagerem na “imbecilidade”, que a gente desconfia


Fernando Brito, Tijolaço  

"Leio aqui a reportagem sobre as acusações de lavagem de dinheiro desviado da Justiça do “Juiz do Porsche”.

Agora, o Meritíssimo “confessou ter desviado mais de R$ 1 milhão de (sic) dinheiro apreendido pelo Tribunal Regional Federal”, segundo informa o G1.

Confesso que fico, como bom e velho brizolista, com um hipopótamo atrás da orelha.

Como é que um cara que estava roubando dinheiro apreendido, depositado em seu próprio gabinete e com a perspectiva de julgar um empresário falido que, ainda assim, poderia render, certamente, muita grana, vai à imprensa, expor-se com aquela história de que ia “esmiuçar” a alma de Eike e, no dia seguinte, passeia com o carro apreendido?

Tava tudo muito bom, tava tudo muito bem, até que Sua Excelência veio com o show…

Não me contem esta história de “certeza da impunidade”, por favor…
Da mesma forma, nunca me conformei em pensar que alguém iria montar um esquema de corrupção de dezenas ou centenas de milhões de dólares com um tipo com Alberto Youssef, não apenas condenado pela Justiça, como delator  premiado no caso em que foi flagrado operando propinas.

Será que falta doleiro no Brasil para explicar a escolha de Youssef?
Se corrupto fosse bobo, corrupto não era…

Não sei, mas talvez daqui a algumas décadas, este “mistério” seja revelado.
Mas eu continuo vendo “rabo de jacaré, olho de jacaré, couro de jacaré”  como dizia o velho Briza.

Talvez eu esteja ficando mesmo velho, mas “el diablo no es el diablo porque es el diablo, sino porque es viejo“.
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: