O Brasil que é capaz e que não sai nos jornais


Fernando Brito, Tijolaço  

"Quase não vi na internet, apenas – dos grande sites – no R7, uma notícia daquelas que faz a gente perder o complexo de incapacidade e fracasso que, a toda hora, tentam incutir nos brasileiros.

Um professor da Universidade Federal de Minas Gerais, Paulo Iscold, e seus alunos de graduação e pós-graduação, construíram o Anequim, um pequeno avião de apenas 500 quilos (já com o piloto) e com um motor convencional de quatro cilindros. Encontrei essa descrição dele no blog de tecnologia Meio Bit, de Carlos Cardoso:”O motor, um Lycoming IO-360 é um dos mais comuns na aviação de pequeno porte. Lançado em 1955, é do tempo dos carburadores e magnetos, produzindo modestos 180 hp.”

E com ele, o Anequim bateu, e com muita folga, cinco recordes mundiais de velocidade para aviões de sua categoria, em testes feitos na Base Aérea de Santa Cruz, no Rio de Janeiro.

Segundo o R7: Velocidade em 3 km com altitude restrita: 521,08 km/h (recorde anterior: 466,83 km/h ); Velocidade em 15 km: 511,19 km/h (recorde anterior: 455, 8 km/h ); Velocidade em circuito fechado – 100 km: 490,14 km/h (recorde anterior: 389,6 km/h ); Velocidade em circuito fechado – 500 km: 493.74 km/h (recorde anterior: 387,4 km/h ).
De quebra, levou 2 minutos e 26 segundos para atingir três mil metros de altitude, 32 segundos a menos que o recorde anterior.

A aplicação das qualidades do Anequim e seu desenvolvimento aerodinâmico, em qualquer país do mundo, estariam na mira da indústria aeronáutica e de defesa.

Aqui, são tratados, quando muito, como “curiosidade”.

Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: