'Xerife' de Minas aponta rombo tucano de R$ 1,1 bi


"Controlador-geral do Estado de Minas, Mário Spinelli, nos governos de Aécio Neves e Antônio Anastasia, ambos do PSDB, as empresas prestavam serviços para o Estado e na hora de pagar, o governo cancelava os empenhos; "Isso vai para o ano seguinte, sem orçamento, sem nada. É um verdadeiro absurdo. Essa prática o Estado vem fazendo há mais de 10 anos. Só no ano passado, cancelou R$ 1,138 bilhão de empenhos liquidados", revelou; Spinelli nega ter sido convidado por Pimentel para integrar o governo para investigar especificamente os governos de Aécio e Anastasia; “Jamais aceitaria uma missão como essa”, disse

Brasil 247

O controlador-geral do Estado de Minas, Mário Spinelli, afirmou que os governos de Aécio Neves e Antônio Anastasia, ambos do PSDB, deixaram de pagar R$ 1,1 bilhão a empresas contratadas pelo governo, entre os anos de 2003 e 2014.

"A empresa vinha, prestava o serviço para o Estado. O Estado, na hora de pagar, cancelava o empenho. Isso vai para o ano seguinte, sem orçamento, sem nada. É um verdadeiro absurdo. Essa prática o Estado vem fazendo há mais de 10 anos. Só no ano passado, cancelou R$ 1,138 bilhão de empenhos liquidados. É uma prática que prejudica muito o equilíbrio orçamentário, porque você joga a conta para este ano. Esse ano, o Estado tem que pagar R$ 1,138 bilhão sem previsão de orçamento", disse Spinelli em entrevista ao Estado de S. Paulo neste sábado, 28.

Spinelli foi chamado para ser controlador-geral pelo governador Fernando Pimentel (PT). Chegou ao governo com a fama de ser “xerife”, principalmente por ter sido protagonista na ação que desbaratou a chamada Máfia dos Fiscais do ISS na época em que ocupava a função de controlador-geral da Prefeitura de São Paulo, na gestão de Fernando Haddad (PT).

Ele nega ter sido convidado por Pimentel para integrar o governo para investigar especificamente os governos de Aécio e Anastasia. “Eu jamais aceitaria uma missão como essa. A minha missão é atemporal. A gente vai fiscalizar e punir, penalizar independentemente de governo”, disse.

Márcio Spinelli disse também que foi feita uma força-tarefa para julgar e demitir servidores públicos envolvidos em irregularidades. "Demitimos 126 funcionários do Estado nos últimos dois meses, que é um número muito grande. Nós identificamos que deveria haver esse esforço na área correcional, porque isso é uma medida preventiva também. Criamos uma força tarefa para analisar e julgar esses processos num tempo recorde. E tirar essas pessoas do serviço público", afirmou."

Leia na íntegra a entrevista de Mário Spinelli.








Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: