Direita pariu Cunha e agora não o quer mais?

Fernando Brito, Tijolaço 

"Espera-se que ainda haja, na Câmara, alguém que, na terça-feira, tenha a coragem de dizer aos líderes da oposição que Eduardo Cunha é cria deles.

Porque foi com os votos deles que Cunha se tornou presidente da Câmara, sem o que o escândalo em que está metido seria mais um entre as dezenas de imbroglios em que senhores deputados e senadores estão metidos, neste lodaçal  que o dinheiro fez espalhar-se na política brasileira.

Alguns, até, tentaram livrar a cara, dizendo que apoiavam o pessebista Júlio Delgado, mas demistas, tucanos e suas sublegendas descarregaram em peso seu apoio e lhe deram a vitória em primeiro turno, ainda, na escolha do terceiro na linha sucessória. Sabiam que teriam, com ele, um conspirador, o Sabotador Geral da República, como chegou a ser chamado, quando a sua sombra projetou o país na escuridão mental desprezível, que ia desde encarcerar menores até legalizar a propina eleitoral nas campanhas.

Assim como sabiam, e Brasília inteira sabe, que Eduardo Cunha é velho adepto da arte da escroqueria.

Acaso imaginam que a opinião pública, ainda que com todas as omissões da mídia, acreditará que o homem que os liderou e fez da Câmara tudo o que quiseram não tinha nada senão uma “amizade colorida”  com o tucanato?

Esqueceram-se das reuniões, dos planos, dos acertos para a pantomima arranjada de fazê-lo “recusar” os pedidos de impeachment e votar, com o apoio do “cunhismo” um recuso para aceitá-lo, num jogo de cartas marcadas  da esperteza?

Resistiram até agora e só deixam a “nau cunhal” quando o seu naufrágio tornou-se inevitável.

Há de ter sobrado no Parlamento que lhes atire isso ao rosto e lhes diga: Não, senhores, não adianta. Tomem, que o Cunha é seu."
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: