Os Clinton podem; Lula, não.

Fernando Brito, Tijolaço 

Hillary Clinton, todos sabem, é  pré-candidata a Presidência do EUA. E lá, como aqui, os candidatos são obrigados a dizer quanto dinheiro ganharam e quem o pagou.

Hillary o fez em maio deste ano e o Washington Post destrinchou os dados.

” Os Clinton ganharam  mais de US $ 25 milhões para falar desde janeiro 2014″.

É notícia? Claro que é.

Mas o WP publica também o que ganharam os republicanos. Não o Trump, talvez porque este não tenha declarado por não ter exercido cargo público ou, quem sabe, porque os ganhos do megamilionário escandaloso não caibam numa página.

A Folha não se deu ao trabalho de verificar os ganhos de Fernando Henrique Cardoso, que tem a mesma atividade de palestrante pago.

O papel do Ministério Público, então, é vergonhoso e vergonhoso será se a instituição não tomar providências contra seu integrante que recebeu de Lula uma declaração espontânea, com todo o sentido de cooperação e correu a vazá-la para os jornais.

O que maltrata a reportagem  não é o trabalho do repórter, que registra o que recebeu, vá lá, ilegalmente de um promotor.  É a edição e a descontextualização da informação.

A obviedade, esta sim, não é notícia, mas deixar de registra-la para induzir os leitores a crer que, interrompida “a corrupção” , “interrompem-se as palestras”  é sórdido.

Surpreendente seria se as empresas estivessem chamando Lula para palestras e, no dia seguinte, vão encontrar uma acusação de repasse de dinheiro.

O dinheiro ganho por Lula nas palestras – embora seja várias vezes menor que o dos Clinton, claro – destina-se à atividade política e, claro, política tem conotação eleitoral.

Logo, não pode deixar de considerar que entre fazer palestras e participar de uma campanha eleitoral, claro que Lula dedicará seu tempo e reservas físicas à segunda, não ao primeiro.

Tanto que, em 2012, foram um quarto das feitas em 2011.

Lula tem palestras pagas por empreiteiras, mas também por governos, bancos (até o Itaú, conhecido contratador de FHC e Marina), associações,  empresas de outros setores. Até a Globo pagou.

Exatamente – a não ser pelos valores menores – como fez Bill Clinton que, registra a matéria, saiu “quebrado” do governo por conta de despesas com advogados em processos judiciais, entre eles o de Monica Lewinsky,

Agora imaginem se Lula tivesse feito como o casal Clinton e em lugar de um apartamento no Guarujá (Guarujá, meu deus!) tivesse comprado uma casa em Washington avaliada em US$ 4,5 milhões (R$ 18 milhões de reais)?

Quanto à queda na procura por palestras de Lula com a Lava Jato, é obvia, como disse antes. Quem quer ser criminalizado por contratar uma?

A mídia brasileira criminalizou a esquerda, embora a direita – ela inclusive – só tenha ganhos “legítimos”.

Nenhuma novidade, para quem, como eu, viu Brizola ser acusado por ter uma fazenda no Uruguai, o que sobrou da herança de sua mulher, Neusa, e fora do Brasil porque ele também era proibido de viver aqui.

Os métodos são os mesmos. É preciso apontar uma suposta riqueza de migalhas nos outros para conservar  seus próprios privilégios.

Aqui, na miséria de um “blog sujo”, ao menos, a gente tem liberdade de falar com a própria consciência."
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: