Usinas de Delcídio com FH foram piores que Pasadena

"As quatro termelétricas contratadas no governo de Fernando Henrique Cardoso quando o senador Delcídio do Amaral (PT-MS), era diretor da Petrobras, custaram R$ 5 bilhões, segundo cálculos da companhia e do Tribunal de Contas da União (TCU); já a compra da refinaria dos EUA custou US$ 792 milhões – em valores atuais, aproximadamente R$ 3 bilhões; em sua delação premiada, Nestor Cerveró, que era gerente da área de Delcídio na Petrobras, afirmou que o senador, atualmente preso em Brasília, recebeu propina de US$ 10 milhões da Alstom, empresa francesa envolvida em escândalos de financiamento de campanha do PSDB; em resposta, FHC disse que corrupção, no seu governo, foi pontual e não sistêmica

Brasil 247

As quatro termelétricas contratadas no governo de Fernando Henrique Cardoso quando o senador Delcídio do Amaral (PT-MS), era diretor da Petrobras, causaram à estatal prejuízo superior do que a refinaria de Pasadena, de acordo com o Tribunal de Contas da União.
 
Elas custaram R$ 5 bilhões, segundo cálculos da companhia e do Tribunal de Contas da União (TCU). Já a compra da refinaria dos EUA custou US$ 792 milhões –em valores atuais, aproximadamente R$ 3 bilhões.

Nestor Cerveró, que foi subordinado a Delcídio já naquela época, relatou, durante a negociação de sua delação premiada, que o senador recebeu US$ 10 milhões da Alstom por contratos de fornecimento com a estatal. A Alstom foi a fornecedora das turbinas de geração: Macaé Merchant (atual Mário Lago) e TermoRio – em resposta, FHC disse que corrupção, no seu governo, foi pontual e não sistêmica.

Antes de ingressar no PT, Delcídio foi filiado ao PSDB, no tempo em que, no governo FHC, comandava a áre de gás e energia da Petrobras. Ele está preso em Brasília, sob a acusação de tentar obstruir a Justiça e impedir a delação de Cerveró.

Leia aqui reportagem de Machado da Costa sobre o assunto."
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: