A votação “deu ruim”, Dra. Cármem? Reclame com Michel e sua turma


Por Fernando Brito, Tijolaço

Finalmente apareceu um colunista a colocar ordem na confusão.
Ilimar Franco, em O Globo, mostra que dois terços dos 313 votos que aprovaram o que a ministra Cármem Lúcia chamou de “texto que pode contrariar a independência do Poder Judiciário” na Câmara, ontem, são do partido de Michel Temer e dos seus aliados na base governista.
A contabilidade do “foi sem querer querendo”:

(…)os líderes governistas Baleia Rossi (PMDB), Aguinaldo Ribeiro (PP), Aelton de Freitas (PR), Jovair Arantes (PTB), Tadeu Alencar (PSB — em exercício), Genecias Noronha (Solidariedade) e Márcio Marinho (PRB).

O partido do presidente Temer, o PMDB, foi o campeão de votos. Votaram contra o Judiciário 46 dos 56 deputados presentes à votação. Entre estes estão um dos históricos da legenda, Jarbas Vasconcelos (foto), e o irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima, Lúcio. 

O DEM, partido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, compareceu com 17 de seus 25 votos, entre eles, um de seus quadros, José Carlos Aleluia. O relator do projeto 4850/2016, Onyx Lorenzoni, foi derrotado em seu própio partido. O PSDB deu sua ajudinha com nove votinhos de 42 presentes.

O PRB, do prefeito eleito do Rio, Marcello Crivella, também votou contra o Judiciário. Foram 17 de seus 25 deputados presentes. O partido (PSD) do ministro Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia), deu 20 votos de 33. O PSB, do ministro Fernando Coelho Filho (Minas e Energia) com 16 dos 28 presentes.

No PR, foram 29 de 35 votos. Entre estes, o de José Carlos Araújo, que presidiu a Comissão do Impeachment do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha. O Solidariedade entrou com oito de seus 12 votos, inclusive o de seu fundador, Paulinho da Força.

Isso com a mídia em cima, transformando todos que se opusessem ao projeto da “Força Tarefa”, que a chefia da PGR e o Supremo não tiveram autoridade para frear e reduzir a termos civilizados, deixando que se apresentassem verdadeiras monstruosidades jurídicas, como validação de prova ilícita, “pegadinhas de integridade” e a “bolsa dedo-duro”.

Foram estes mesmos senhores que deram fim ao governo eleito, legítimo, sob a passiva anunência do Judiciário “imdependente”, que permitiu por sete meses que um facínora como Eduardo Cunha ficasse no comando da casa e pusesse a votar, daquele domingo da vergonha, o afastamento de Dilma Rousseff.

Tem muita gente na bancada evangélica, dá para pedir uma Bíblia emprestada e ler lá, na Carta de São Paulo aos Gálatas: “O que o homem semear, isso colherá”.
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: