‘Vale vende área de fertilizante aos americanos. A potência agrícola é uma colônia’


Por Fernando Brito, Tijolaço -

Agricultura, óbvio, só funciona com adubação.

E, lamento, quando se fala em agricultura de escala e, mais ainda, de agronegócio, pode esquecer aqueles sacos de terra adubada que você vê na beira das estradas.

Estamos falando de mais de dez milhões de toneladas de nitrogênio, potássio e fósforo, o famoso NPK que você já tenha visto escrito em embalagem de fertilizante artificial.

O Brasil é o 4º consumidor mundial de fertilizantes, ficando atrás apenas da China, da Índia e dos Estados Unidos

Os fertilizantes, como você vê na figura acima, respondem, só no caso da soja, por 30% dos custos operacionais de produção – excluído o custo financeiro, que só é suportável porque há subsídio estatal: aquele tal “Plano Safra”, que usaram para derrubar Dilma Roussseff.

O Brasil tem meios de ser autossuficiente em fertilizantes, mas não é.

Importa perto de 80% do fertilizante consumido.

E tem matéria prima para fazer aqui.

O nitrogênio é obtido pela amônia, retirada do gás natural, associado ao petróleo. A maior unidade de produção de amônia do Brasil, em Três Lagos (MS) foi paralisada pela Petrobras, na esteira da obra do Dr. Sérgio Moro.

No potássio, temos a terceira maior reserva do mundo, perdendo apenas do Canadá e da Rússia, num setor cheio de mentiras, intrigas e cartéis.

O fósforo, onde não é tão boa nossa situação, ainda assim é promissora, porque ainda há muitas indicações de rocha fosfática ainda não avaliadas e muito menos medidas.

A Vale, além de ser o maior player do mercado nacional de fertilizantes, deu vários passos para se tornar uma das líderes mundiais do setor.

Assumiu as operações da Petrobras em áreas onde a reforma de Collor tirou a estatal. Detém o controle de Tapira (MG), a maior mina de fosfato do Brasil, que minera também em  Patrocínio (MG), que está entrando em produção, além de minas de fosfato no Peru e potássio no Canadá.

Renacionalizou parte da produção do Brasil em 2010, quando comprou os 20% da Vale Fertilizantes que pertenciam à Mosaic, americana.

Agora, a Vale Fertilizantes vai ser quase que totalmente entregue à mesma Mosaic.

Num país que se prezasse, um mau negócio destes jamais seria feito.
Mas o Brasil não se preza.

Não nos incomodamos de ser roubados, desde que seja por multinacionais. O “problema”, mesmo, são aqueles sem-terra querendo fazer uma rocinha.

De que adianta ter o sol, a terra, a água, se seus frutos nos serão levados para sempre no preço e nas divisas dos fertilizantes e defensivos agrícolas, que pertencem a eles?
Enviar: Google Plus

About Antonio Ferreira Nogueira Jr.

Contato- nogueirajr@folha.com.br
Revista- WMB

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: